Quarta-feira, 28 de Abril de 2010

CARTA ABERTA

 

 Exmo. Senhor

 José S Carvalho Pinto de Sousa

 

   Meu caro concidadão,

 

   Os meus melhores cumprimentos.

 

   O facto de não o conhecer pessoalmente, não me inibe de lhe escrever esta Carta Aberta, que pretendo seja leal, descomprometida, e obviamente sem o mínimo intuito de ataque pessoal, como faz questão de referir a todos que estão em desacordo consigo.

 

   Antes de mais cumpre-me lembrar, que nenhum dos casos vindos a público sobre a sua conduta, que a serem verdadeiros o envolveriam em situações pouco claras  foi reconhecido pela justiça, pelo que está, formalmente, isento de qualquer culpa logo, inocente.

 

   O problema é, pois, meramente político,  área onde desenvolve a sua actividade profissional, a qual sendo extremamente sensível para qualquer País, tem especial acuidade no nosso que se encontra debaixo de fogo cerrado de várias frentes, desde os puros especuladores financeiros, até aqueles que se querem aproveitar das nossas fraquezas para nos fazer vergar a cerviz.

(Lembra-se da Espanha dos Filipes? E dos Ingleses do mapa cor de rosa?  A cor é pura coincidência.

  

  Entendo quanto doloroso deve ser descer sem glória uma montanha que foi subida a pulso, com esforço, e também com algum mérito,  melhor fora, mas puxando aqui e ali um pézito a um camarada que estava mais acima. Ou será que estou enganado?

 

   Mas é do fundo do coração que lhe digo: - Vale bem mais descer uma montanha pelo seu próprio pé, ainda que sem glória, do que vir aos trambolhões por ela abaixo.

 

   Em resumo, pode o meu caro concidadão querer continuar a exercer a sua actividade profissional, até ao fim do contrato estabelecido. É um direito. Mas tal só acontecerá porque os representantes dos seus Patrões, (todos nós que votamos), não lhe querem pagar o preço da indemnização devida pelo seu despedimento antecipado (eleições).

 

   Mas trata-se de uma questão formal.  Porque informalmente o lugar realmente já não lhe pertence.

  

   Pense Nisso. Vale a pena.

 

   Com cordialidade,  

   Mocho (Sábio)

Estado de Alma: eu avisei
Livro: A Crise da Republica
publicado por Lanzas às 08:46

link do post | comentar | favorito

EM DESACORDO

Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

JE SUIS CHARLIE

QUANDO NÃO ERA FIXE FALAR...

Marcelo, Santana e o Cand...

Marcelo, Passos e o Candi...

DIREITOS DOS ANIMAIS ...

O ORÇAMENTO DO NOSSO DESC...

CLARA FERREIRA ALVES

CHOVE EM LISBOA

A FISCALIZAÇÃO SUCESSIVA ...

SUPONHAMOS

arquivos

Janeiro 2015

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Procurar no blog

 

links

blogs SAPO

subscrever feeds

blogs SAPO

tags

todas as tags