Quinta-feira, 14 de Julho de 2011

O COLOSSAL DESVIO

   Os portugueses nas últimas eleições quiseram romper com um passado politico recente, que durou seis anos e cujos dois  últimos pareciam não ter fim, durante os quais o ex-Primeiro ministro que diga-se de passagem não reunia as competências mínimas necessárias para exercer o cargo, utilizou sistematicamente o “passado” como a causa de todos os nossos males e como a justificação da sua desastrosa  política com a qual conduziu Portugal a uma trágica situação económica e financeira, praticamente sem paralelo na história do País.

   Pedro Passos Coelho parecia querer cortar com essa forma enganosa, deselegante e sem credibilidade de fazer política, quando afirmou que o seu Governo “não se iria nunca queixar da herança deixada pelo PS”.

   Entrava assim em vigor uma nova forma de fazer política. Pela positiva.

   Além de ser elegante permitia deixar de vez os esqueletos no armário e abrir as janelas para entrada de ar puro. Arregaçávamos as mangas e olhávamos em frente. Para o futuro. Por muito difícil que esta seja.

   Eis senão quando, subliminarmente, numa reunião do PSD, Passos Coelho deixou cair que “o seu Governo encontrou um desvio colossal em relação às metas estabelecidas para as contas públicas”, o que levantou de imediato um coro de “virgens arrependidas” não contra os desvios, sejam do défice que não para de subir, seja com as consequências com obras iniciadas sem visto do tribunal de contas e que agora vão custar centenas de milhões de euros mesmo que não se façam, seja com outros desmandos semelhantes que a pouco e pouco haveremos de ter conhecimento.

   Convenhamos no entanto que apesar de não terem razão para carpir mágoas, foi-lhes servido, em bandeja de prata, um pretexto de ouro, que se apressaram a cavalgar, utilizando a Comissão de Acompanhamento do Programa da ‘Troika’, ao afirmarem que esta devia analisar as declarações de Passos Coelho e ouvir o que o Governo tem a dizer sobre as mesmas, para perceber o que está em causa, pois fazem parecer que "o Governo está já a preparar terreno para não cumprir os objectivos acordados com a 'troika'.

   Verdade ou não, quem não quer ser lobo não lhe veste a pele e Passos Coelho quis mesmo dizer aquilo que dizia não querer dizer.

   Agora não tem do que se queixar.

 

{#emotions_dlg.chat}Post 368

Estado de Alma: Desviado
Livro: A Criança Que Não Queria Falar
publicado por Lanzas às 10:05

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 8 de Julho de 2011

O BOM EXEMPLO DO BCE

   Não tem qualquer carácter especulativo afirmar-se que as Agências de Rating Americanas (Todas elas sem excepção) são instrumentos ao serviço dos especuladores, com a agravante de terem interesses directos nas consequências que as suas notações ocasionam.

   E ainda por cima são pagas por isso. E muito bem pagas.

   Mas ao contrário de opiniões que temos visto expressas não são estas Agências as principais culpadas dos verdadeiros tsunamis financeiros que tem ocasionado por esse mundo fora, mas sim as Instituições que fazem das notações destas Agências uma verdadeira Bíblia, as quais são tidas  como um instrumento indispensável para a "segurança" de todas as operações em que participam, num estranho imobilismo, digamos mesmo numa cumplicidade criminosa.

   Num mercado livre, e sem constrangimentos de qualquer ordem, quando a qualidade dos prestadores de serviços é má, como é manifestamente o caso, recorre-se a esse mesmo mercado para encontrar quem seja mais fiável, quem preste um melhor serviço, com mais qualidade e se possível mais barato, não se percebendo pois a posição assumida por exemplo pela UE, que se tem limitado a umas críticas piedosas, para que tudo continue na mesma. Isto é as Agências de Rating a produzir notações sem qualquer credibilidade.

   Saúde-se pois a posição agora assumida pelo BCE de não levar em conta as notações agora atribuídas pela Moody´s a Portugal, como tinha já feito aliás em relação à Grécia e à Irlanda. Trata-se de uma verdadeira pedrada no charco, a qual merece ser devidamente louvada, e uma enorme desautorização pública para quem tem particulares responsabilidades no eclodir da chamada crise financeira internacional e cuja actividade, mais do que duvidosa, está inclusive a merecer a atenção das autoridades americanas na matéria.

   Se a decisão do BCE for desta vez acompanhada por decisões idênticas de outras Instituições, recorrendo se necessário a diferentes critérios de avaliação objectivos, até que seja possível utilizar os serviços de uma, ou mais do que uma, Agência de Rating Europeia, então o caminho para a recuperação económica da Zona Euro pode ter começado ontem.

 

{#emotions_dlg.chat}Post 367

Estado de Alma: Anotado
Livro: 2012 - Ano do Apocalipse
publicado por Lanzas às 10:59

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 5 de Julho de 2011

CRÓNICA DE UMA DEMISSÃO ANUNCIADA

   Pedro Passos Coelho cometeu um erro de casting ao ter escolhido Fernando Nobre para candidato a Deputado pelo PSD, mas cometeu um erro ainda maior ao fazer acompanhar esse convite de um outro que não se justificava de todo, o de apoiar a sua candidatura a Presidente da Assembleia da Republica. Era um convite demasiado arriscado, que só se poderia concretizar com uma sólida maioria parlamentar deste partido, uma vez que, sabe-se hoje, foi por falta de apoio dentro do próprio PSD que Fernando Nobre não foi eleito, dado que, apesar de tudo, conseguiu recolher alguns votos no seio dos restantes partidos.

   Não se sabe e provavelmente nunca se saberá qual a vantagem que este convite trouxe ao PSD, em termos eleitorais, mas sabe-se quais as desvantagens em termos de desgaste junto dos eleitores e da opinião pública, antes e depois das eleições. Foram muitas.

   Fernando Nobre cumpriu o que tinha prometido, de coração aberto, quando "avisou" um dia depois do convite que só aceitaria ficar na Assembleia da Republica, caso fosse eleito Presidente. Em termos de democracia estávamos conversados. Se fosse para o "penacho", e para fazer o estágio para uma futura candidatura à Presidência da Republica tínhamos Homem, caso contrário adeus "malta" que tenho mais que fazer.

   E nem as suas desculpas "esfarrapadas" dos dias seguintes, nem as "correcções" políticas efectuadas pelos estrategas do PSD e inclusive pelo seu Presidente surtiram qualquer efeito convincente.

   Porque se não fosse essa a condição e a razão da aceitação do convite que lhe fizeram, Fernando Nobre, teria (deveria ter) renunciado ir a votos, poupando-se, e poupando Pedro Passos Coelho, a um espectáculo deprimente, que foi o da votação parlamentar na qual foi sucessivamente derrotado,  no qual se revelou bem o estado de espírito de dois homens que embora sentados lado a lado no hemiciclo tinham duas posturas completamente opostas.

   Por um lado Pedro Passos Coelho obrigando-se a levar até às ultimas consequências o cumprimento da palavra dada, qual Egas Moniz que se apresenta ao Parlamento de baraço ao pescoço, isto é embaraçado, esperando que aquele pesadelo terminasse. Do outro Fernando Nobre esticando a corda até ao limite procurando conseguir aquilo que estava á vista de todos era intangível.

   As imagens que foram transmitidas pelas televisões, depois das votações, de um Fernando Nobre sozinho, acabrunhado, a abandonar as instalações da Assembleia da Republica eram a visão do adeus de um homem politicamente derrotado.

   Agora e no futuro.

   Fica um passado cheio de solidariedade para com o próximo, e o futuro que Deus quiser, mas fora da política.

   Como em tudo na vida, quando se joga ganha-se e perde-se.

   Mas neste caso concreto Fernando Nobre não devia ter ido a jogo.

 

{#emotions_dlg.chat}Post 366

Estado de Alma: Abandonado
Livro: Cruel Abandono
publicado por Lanzas às 15:47

link do post | comentar | favorito

EM DESACORDO

Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

JE SUIS CHARLIE

QUANDO NÃO ERA FIXE FALAR...

Marcelo, Santana e o Cand...

Marcelo, Passos e o Candi...

DIREITOS DOS ANIMAIS ...

O ORÇAMENTO DO NOSSO DESC...

CLARA FERREIRA ALVES

CHOVE EM LISBOA

A FISCALIZAÇÃO SUCESSIVA ...

SUPONHAMOS

arquivos

Janeiro 2015

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Procurar no blog

 

links

blogs SAPO

subscrever feeds

blogs SAPO

tags

todas as tags