Domingo, 3 de Fevereiro de 2013

DIREITOS DOS ANIMAIS ...

... E DAS PESSOAS!

 

Notícia de ontem no SOL:

 

Os manifestantes reunidos hoje à tarde frente à Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), em Lisboa, dirigem-se para o ministério da tutela, onde estarão em vigília até às 22:00, pelos animais abatidos.

 

A iniciativa é da associação de defesa dos direitos dos animais, Animal, que pretende chamar a atenção do Governo para uma “necessária actualização legislativa sobre os direitos dos animais”, disse à Lusa a presidente desta associação, Rita Silva”.

 

OPINIÃO:

 

Podiam aproveitar o seu óbvio direito de reunião e limpar algumas das ruas de Lisboa conspurcadas pelo có-có e xi-xi, dos animais de estimação que os donos trazem à rua para fazer as suas necessidades e deixam ficar para deleite dos transeuntes.

 

Ser dono de um animal ou pugnar pelo seu bem estar é o mínimo que se pode exigir e não merece grandes reuniões, mas os direitos de cada um de nós acaba quando começam os direitos dos outros e todos temos o direito de andar em passeios que não estejam inundados de dejectos dos animais de estimação dos outros.

 

Digo eu, que gosto de animais e das PESSOAS.

Estado de Alma: conspurcado
publicado por Lanzas às 14:07

link do post | comentar | favorito
Sábado, 13 de Outubro de 2012

NOVO ENDEREÇO ELECTRÓNICO DO ZÉ POVINHO

   Tendo sido informado pela AT “Autoridade Tributária e Aduaneira”  que para minha comodidade tinha sido disponibilizado um serviço destinado a simplificar o cumprimento das minhas obrigações fiscais, de modo a tornar mais rápida a apreciação dos meus pedidos de socorro e o reconhecimento dos meus direitos, que como é sabido estão reduzidos a zero, venho por este meio tornar público o meu contacto.

“Zé Povinho”

 

 (Retirado daqui)

{#emotions_dlg.chat} 

Estado de Alma:
publicado por Lanzas às 15:57

link do post | comentar | favorito
Domingo, 6 de Maio de 2012

COM PAPAS E BOLOS ...

... SE ENGANAM OS TOLOS! (Ditado Popular)

 

 Passado um período de reflexão sobre o sucedido, e analisadas quase todas as opiniões que têm sido emitidas, somos levados a concluir que a marca Pingo Doce conseguiu, provavelmente, a mais bem sucedida campanha, na história da publicidade em Portugal.

 Não sendo inovadora, transformou-se rapidamente num case study por várias razões: O factor surpresa, a escolha da data, o valor económico imediato da promoção para quem se dispôs a fazer compras, e a dificil situação  vque o País atravessa, que predispõe as pessoas para a poupança, conforme é aliás a palavra de ordem constantemente lançada para a praça pública, por todos os responsáveis políticos, e não só.

   Questões ideológicas, sociológicas e inclusive as reinvindicações dos trabalhadores à parte, a verdade é que se o objectivo final da campanha era que se falasse, de borla, durante muito tempo da marca envolvida, o objectivo foi plenamente conseguido.

   Ainda  a procissão vai no adro, e já todo o mundo falou sobre o assunto, mesmo aqueles que vão dizendo não querer falar.                       

  Analise-se pois o assunto exclusivamente pela óptica custo/beneficío de uma campanha publicitária. Quanto custa uma página de publicidade num Jornal como o Expresso? É variavel, conforme  a cara do anunciante, mas todos temos a convicção que é bastante elevada.

   Então vejamos a poupança. No numero de ontem, e depois de um vista de olhos en passant, temos:

   Primeira página em destaque "Assunção Cristas e o Pingo Doce". Página 2 - Cartoon  de António "Amargo Doce". Página 3 - Outra vez Cristas e o Pingo Doce. Páginas 4/5 - Integralmente preenchidas com relatos diversos do acontecido. Página 6 - "Pé de Página" de João Garcia. Página 7 - " O Bodo aos Pobres," artigo de Miguel Sousa Tavares. Última Página - "Lições do Pingo Doce" por Henrique Monteiro. No Caderno de Economia: Página 2 - Cartoon de Rodrigo de Matos. Página 31 - Dois artigos sobre o assunto, um de João Duque, outro de João Vieira Pereira.

   Para além da notoriedade de quem já falou, cujos nomes acima referidos são apenas um exemplo, hoje em directo, durante pelo menos cinco minutos, Marcelo Rebelo de Sousa vai falar sobre o assunto para mais de um milhão de espectadores.

  Se somarmos a isto as horas de exposição televisiva com sucessivas aberturas de telejornais e reportagens, algumas em directo, os comentários do Presidente da Republica, as horas de debate na Assembleia da Republica, o que foi escrito, e está para ser, em jornais e revistas sobre o assunto, temos de convir que em termos publicitários foi um sucesso. UM ENORME SUCESSO.

   E não importa a forma como o assunto foi tratado, pois em publicidade, como em muitas outras coisas, o importante para quem disso beneficia é que se fale.

   Bem ou mal é um detalhe.

 

{#emotions_dlg.chat}Post 477

 

 

 

Estado de Alma: Marcado
Livro: NO LOGO - O PODER DAS MARCAS
publicado por Lanzas às 11:37

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 30 de Novembro de 2011

O INCÊNDIO DO FUTEBOL

   Já passaram alguns dias sobre os lamentáveis acontecimentos verificados no antes, durante e depois de um jogo de futebol, que não deveria ter sido nada mais do que isso. Um jogo de futebol.

   A história é demais conhecida e nela ninguém está isenta de culpas, antes pelo contrário, todos têm nela sérias responsabilidades no sucedido.

   Como é sabido, o futebol já foi um desporto, sendo que agora é uma industria onde se movimentam, em todo o mundo, exorbitantes volumes de dinheiro, a maioria do qual de origem (muito) duvidosa, sendo que depois em muitos situações se perde novamente o rasto desse mesmo dinheiro.

   Mas regressando ao sucedido, temos:

 1 - A falta de previsão e a passividade da Entidade que deveria superintender no futebol, que autoriza, ou não se opõe, à instalação de uma estrutura, necessariamente polémica, no decorrer da época, e com destinatário concreto.

 2 - O Clube que instalou a estrutura, ainda que se procure resguardar na legalidade. Nem tudo o que é legal é razoável, e este era um desses casos, pois sabia que com essa atitude estava ostensiva e deliberadamente a provocar o adversário. A que acresce o facto de não ter sabido prever as consequências que adviriam do seu comportamento, e que neste pode razoavelmente admitir-se que foram muito superiores aquelas que se dizia querer obstar.

 3 - O outro Clube que não foi capaz de criar as condições objectivas para um comportamento normal por parte dos seus simpatizantes, antes acirrou os animos, afim de poder protestar contra o que considerava inadequado, sem que pudesse ser acusado de ter incitado à violência. As palavras proferidas pelos seus dirigentes antes do jogo, e a falta de comparência do seu Presidente a esse jogo foram de uma total falta de bom senso. E a história da "baixa" por doença é história mal contada a fazer lembrar os atestados médicos dos polícias.

   E não pode deixar de se lamentar ver um antigo internacional português ali metido o que não foi  com certeza um incentivo à não violência

   Tudo podia ficar por aqui, mais indemnização menos indemnização, não fora o caso de com os comportamentos assumidos, os principais dirigentes dos maiores clubes portugueses, estarem a colaborar no aumento da violência das suas claques organizadas, o que na conjuntura que o País atravessa é de extrema gravidade.

   Ao abrigo do óbvio direito de exteriorização de uma simpatia clubística, organizam-se forças, experimentam-se técnicas, estreitam-se relações que podem vir a ser utilizadas, mal, com graves consequências.

   Ninguém está no Futebol por amor à arte. Mas cuidado com as fogueiras, porque estas podem alastrar e depois pode não haver bombeiros que cheguem para apagar o fogo.

 

{#emotions_dlg.chat}Post 426

Estado de Alma: Bombeiro
Livro: A Liga da Chave Dourada
publicado por Lanzas às 19:07

link do post | comentar | favorito
Sábado, 8 de Outubro de 2011

AS ELEIÇÕES NA MADEIRA (Vistas por "Os Manos")

 

 

{#emotions_dlg.chat}Post 398

Estado de Alma: Madeirense
publicado por Lanzas às 09:17

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 3 de Outubro de 2011

SABER ANTECIPAR OS ACONTECIMENTOS

   Em todos os tempos, os grandes homens sempre se distinguiram entre os seus pares por terem, entre outras, uma marca indelével inscrita no seu ADN: Saber antecipar os acontecimentos.

   É normal que qualquer pessoa mediana que tire um qualquer curso, em qualquer Universidade, ainda que Independente, e esteja rodeada por um conjunto imenso de consultores, assessores e outros doutores tome as decisões que as circunstâncias, ou os superiores interesses instalados impõem.

   Mais IVA, menos fundações; mais impostos, mais corta aqui e ali nos ordenados; menos TGV mais comboio de velocidade elevada; mais coisa menos Aeroporto, todos lá vão.

   Então o que falta para ser diferente, para ser Grande?

   É aquele algo mais, o detalhe, que faz alterar o rumo dos acontecimentos.

   Ouvir as sugestões dos adversários e adequá-las e integrá-las nos seus próprios projectos de acordo com o interesse global, é importante.

   Não fazer da política, quando se está no poder, um exercício de sapiência que se não a tem, é sério

   Ter a humildade de reconhecer que um burro carregado de livros é um Doutor. Ou um Engenheiro, é o mínimo.

   Senhor Primeiro Ministro, Pedro Passos Coelho, reconheça-se que a sua herança era pesada, mas está esgotado o período da nossa boa vontade.

   É ao senhor que compete demonstrar  que tem a marca inscrita no seu ADN.

   Venha de lá esse golpe de asa, que faça com que os Portugueses continuem a acreditar que merece a pena.

    Porque começa a ser tarde.

 

{#emotions_dlg.chat}Post 395

Estado de Alma: Á espera da estrela
Livro: Meu Pé de Laranja Lima
publicado por Lanzas às 16:47

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 28 de Setembro de 2011

A CRISE SEMPRE SERVE PARA ALGUMA COISA

   Afinal, sabe-se agora, a crise económica e financeira que o mundo em geral atravessa apresenta algumas vantagens que não são despiciendas.

   Todos conhecemos muitos casos de crianças de seis, sete anos que jantavam às 10/onze horas da noite e faziam os chamados TPC (trabalhos de casa), literalmente a dormitar em cima dos livros ou dos cadernos, depois de dias que eram autenticas maratonas.

   Depois de se levantarem em muitas situações antes das sete da manhã para serem transportados para a escola, pelos pais, familiares ou pelos transportes escolares, onde cumpriam o horário normal de escolaridade, iniciavam ao fim da tarde correrias incessantes destinadas a cumprir horários de disciplinas extra que não lembravam ao Diabo. Ginástica, ballet, judo, musica, artes plásticas e mais um infindável rol de actividades "didácticas" que lhes consumiam o resto da energia, torravam uma parte do orçamento familiar e não davam espaço para as suas indispensáveis, e saudáveis, brincadeiras.

   Mas não havia nada a fazer. A Micas, a Mitó, o Paulinho o Afonso, e todos os outros betinhos da escola e da vizinhança andavam nessas andanças e  portanto os nossos não podiam ficar trás se não deixavam de estar no grupo dos eleitos.

   E aos fins de semana a actividade não era menor. A equitação, o ténis, o basquetebol ou a escolinha de futebol, sim porque o rapaz tem jeito, e pode ser um futuro Cristiano, também não davam descanso.

   Os pais "ganharem" uma ou duas horas a brincarem com os filhos? Como se não havia tempo para nada

   Afinal a crise veio colocar um travão nesta falta de bom senso, mascarada com " o que havemos de fazer? É um sacrifício, mas é para bem dos nossos filhos"

   Costuma dizer-se que o homem põe mas as circunstâncias, ou a natureza  segundo uns e Deus segundo outros, dispõem.

   E os pais a quem o aperto do cinto obriga a restringir, e em alguns dos casos eliminar completamente, as actividades extra curriculares dos rebentos acabam descobrindo, actividades e brincadeiras com as quais nem sonhavam e que podem tornar as suas crianças, e eles próprios, mais felizes.

   Estudos recentes nos EUA revelam que crianças que passam pelo menos uma hora por dia a brincar com os pais são menos sujeitas stress e mostram ser mais felizes.

   Se realmente assim for, a crise sempre serviu para alguma coisa.

 

{#emotions_dlg.chat}Post 392

Estado de Alma: A brincar
Livro: A Arte de Amar
publicado por Lanzas às 09:17

link do post | comentar | favorito
Domingo, 25 de Setembro de 2011

ALENQUER - PADRE ZÉ, 50 ANOS DEPOIS

 

   Cinquenta anos depois de chegar ao Concelho de Alenquer (nomeado Pároco de Aldeia Galega da Merceana desde 1 de Novembro de 1961) e de 36 anos como Pároco de Alenquer, o Padre Zé como é vulgarmente conhecido José Eduardo Ferreira Martins de 77 anos de idade, diz hoje a sua missa de despedida. (The last, but not the least).

   Na hora de dizer até já, que o Deus em quem acredita lhe continue a dar a vida, a saúde e as forças necessárias para poder ajudar quem mais precisa, como sempre o fez ao longo destes últimos 50 anos.

   Obrigado por tudo aquilo em que se envolveu para poder ajudar o próximo, sem olhar a quem. Obrigado por tudo o que fez nos restauro do Património religioso da Vila Presépio. Obrigado pela imensa "ajuda" que deu à cultura, em todos os domínios, do Concelho; mas sobretudo um muito muito obrigado por ter trazido de volta a Alenquer as Festas do Divino Espírito Santo.

    Bem haja.

{#emotions_dlg.chat}Post 391       (Foto: Aguarela de Artur Franco -  escadaria e porta interior do Convento de S.Francisco - Alenquer)

 

Estado de Alma: Triste, na hora da despedida
Livro: A Escola do Paraíso
publicado por Lanzas às 09:27

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 20 de Setembro de 2011

SACRIFICADOS SIM, MAS INFORMADOS

   Na fase de turbulência, por agora financeira, que a Europa atravessa, Portugal corre o risco de, por “contágio” de uma qualquer Grécia, ou como efeito das suas próprias políticas, vir a ser “convidado” a sair do Zona Euro.

   É uma hipótese que não deve ser minimizada, muito menos descartada.

   Sucede que os portugueses em geral pagam impostos que atingiram já o limiar da razoabilidade, e é também visível quase a olho nu que a população em geral está também a levar muito a sério os avisos sobre a necessidade de consumir menos e de poupar mais.

   Porém era importante que as pessoas sentissem realmente que os sacrifícios que estão a fazer, e os que ainda serão chamados a fazer num futuro próximo, não são em vão, e que se por um lado esses mesmos sacrifícios se destinam a pagar as barbaridades cometidas ao longo de muitos anos mas com incidência especial nos últimos três /quatro anos por políticos incompetentes (no mínimo), por outro se destinam a precavê-los de uma desgraça maior que seria a saída de Portugal da Zona Euro.

   Nunca tendo tido uma opinião favorável à nossa entrada na Zona Euro, e continuo hoje convencido que foi um erro, estou muito à vontade para afirmar que nesta altura a nossa saída seria uma verdadeira catástrofe.

   Por isso era francamente positivo que o Presidente da Republica no exercício do magistério de informação devido aos portugueses, e para evitar visões partidárias que distorcessem a realidade, patrocinasse um conjunto de programas televisivos, que tivessem reflexo na imprensa escrita e nas redes sociais, que de forma simples, esquemática, sem fundamentalismos, informasse o que seriam as consequências práticas da nossa saída da Zona Euro.

   Por exemplo o que representaria para um casal que está a pagar o empréstimo da sua habitação num valor digamos de 600/700 euros mensais, passar a receber o ordenado em escudos, com uma desvalorização mínima de 30 a 40 por cento, e ter de converter parte desse ordenado em Euros, para continuar a pagar o empréstimo que continuaria vinculado a essa moeda.

   Este e alguns exemplos mais, devidamente repisados, levariam com certeza a que as pessoas em geral encontrassem alguma razoabilidade para o enorme sacrifício que estão a fazer e fizesse, também, renascer a esperança de estarem a trabalhar para evitar um futuro ainda mais negro.

   Os portugueses merecem senhor Presidente.

  

{#emotions_dlg.chat}Post 389

Estado de Alma: Martirizado
Livro: O Livro dos Mártires
publicado por Lanzas às 10:07

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 19 de Setembro de 2011

O "FADO" DA MADEIRA

    Não deixa de ser irónico que seja o seu Partido – o PSD - a indicar a Alberto João Jardim a saída da cena política, pela esquerda baixa, mas vai ser inevitável, se este não resolver sair pelo seu próprio pé.

   Depois de mais de 30 anos a somar vitórias, para si mas também para o Partido, sendo que em algumas dessas eleições a Madeira foi o único sítio onde o PSD venceu, Alberto João Jardim transformou-se do problema que sempre foi, no bode expiatório de todos os males que acontecem neste País. O que nos faz lembrar um conhecido “boneco” de um programa humorístico de Jô Soares que sempre que era preso, gritava alto e bom som: “Só eu? e cadé os outros?”

   É certo que Alberto João Jardim, para além de ser obviamente o responsável por uma dívida verdadeiramente colossal ultrapassou todos os limites da razoabilidade democrática. Mas não foi o único.

   Dois exemplos dos últimos tempos socialistas ilustram bem esta afirmação. Porque razão um ex-Primeiro Ministro, acolitado por uma espécie de Ministro das Obras Públicas, adjudicou à pressa um bocado de TGV, quando já sabia que o País estava em bancarrota se não recorresse à ajuda externa? Seria para para tornar a obra irreversível e assim garantir o lucro das empresas envolvidas quer se efectuasse ou não a obra? Perante os factos, peço muita desculpa, mas é uma dúvida legítima que se levanta. Senão porque começar uma obra com aquele volume de custos antes do “visto” do Tribunal de Contas?

   Outro exemplo paradigmático foi a compra massiva de quadros interactivos para as salas de aula, anunciada com pompa e circunstância como modelo do desenvolvimento do País e da “governação de sucesso” da Educação em Portugal.

   Alguém deveria informar os portugueses que estão a ser violentamente espoliados dos seus rendimentos de trabalho para pagar verdadeiras monstruosidades, prtaicads sem rei nem roque, qual foi o total gasto nestas “obras de arte”, quantas foram adquiridas e quantas vezes foram utilizadas cada uma dessas preciosidades.

   São conhecidas escolas que nem um único foi alguma vez usado. E temos razões para supor que muito poucos foram alguma vez usados. Uma pergunta singela. Terá aproveitado a alguém o gasto (sim foi um gasto, não foi um investimento) efectuado? Supomos bem que sim, que a alguém aproveitou.

   Por estas e por outras, muitas outras, é que António José Seguro deveria ter um pouco mais de decoro quando pede para que Pedro Passos Coelho diga se mantém a confiança política em Alberto João Jardim.

   Claro que não mantém, é mais do que evidente. É óbvio que quando o Presidente de um Partido, e Primeiro Ministro, diz da actuação de um correligionário que por acaso é o Presidente do Governo Regional da Madeira, que "é natural que a ser verdade a situação nas contas da Madeira não abone a favor da imagem do País…” está a dizer o quê? Que apoia a sua política, ou que mantém a sua confiança política? Se fosse Ministro teria sido naturalmente demitido. Como Presidente do Governo Regional da Madeira, por agora, fia mais fino.

   Porém as contas da Madeira, e já agora as dos Açores, eram um gato escondido com o rabo de fora. Toda a gente sabia que existia um buraco, mas fingia que não sabia e assobiava para o ar à espera que o balão rebentasse. Presidente da Republica, Tribunal de Contas, PGR, Deputados, Partidos políticos. Em resumo: Todos.

   O que admira é que um político com a sagacidade de João Jardim se tenha deixado “embrulhar” com a última alteração da Lei das Finanças Locais feita pelo ex-Primeiro ministro deliberadamente com destinatário certo: A Região da Madeira.

   Ainda assim é provável que Alberto João Jardim ganhe as próximas eleições regionais de Outubro, se calhar até com maioria absoluta.

   Mas por uma questão de bom senso, caso não queira renunciar a ser candidato, deveria desde já anunciar que não assumiria o lugar de Presidente do Governo Regional e indicar quem propunha para seu sucessor na Chefia do Governo.

   Costuma dizer-se que de Espanha “nem … “ mas José Luis Zapatero é um exemplo que lhe deveria servir referencial.

   É a saída possível. Ainda com algvuma dignidade.

 

{#emotions_dlg.chat}Post 388

Estado de Alma: Interactivo (A pagar impostos)
Livro: Destroços
publicado por Lanzas às 21:07

link do post | comentar | favorito

EM DESACORDO

Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

DIREITOS DOS ANIMAIS ...

NOVO ENDEREÇO ELECTRÓNICO...

COM PAPAS E BOLOS ...

O INCÊNDIO DO FUTEBOL

AS ELEIÇÕES NA MADEIRA (V...

SABER ANTECIPAR OS ACONTE...

A CRISE SEMPRE SERVE PARA...

ALENQUER - PADRE ZÉ, 50 A...

SACRIFICADOS SIM, MAS INF...

O "FADO" DA MADEIRA

arquivos

Janeiro 2015

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Procurar no blog

 

links

blogs SAPO

subscrever feeds

blogs SAPO

tags

todas as tags